Michele Muniz fala de carreira e do novo longa “Saraliaeleia”

“O estudo é o que mantém a chama da criatividade, eu amo aprender, coletar o máximo de conhecimento e encontramos isso de diversas formas”, destaca.
Michele Muniz – Foto: Jaime Leme

Nascida em São Paulo, Michele Any Gordo Martins conhecida como Michele Muniz se encontrou com a arte de atuar muito nova, com apenas 12 anos foi para uma oficina de teatro na sua cidade Ribeirão Pires, em São Paulo. Sua primeira apresentação foi em “Se Essa Rua Fosse Minha”, um espetáculo com direção coletiva feita por crianças da turma do curso. Mesmo já apaixonada pela arte, Michele se aventurou no mundo do esporte, jogou voleibol e disputou campeonatos pela federação paulista de Vôlei, representando o clube da sua cidade. Porém, o amor pela profissão falou mais alto e em 2003, foi aprovada para o curso acadêmico da PUC -SP, Comunicação das Artes do Corpo. Daí em diante, sua carreira não parou mais e junto dela, muito estudo. Sempre muito criativa, acredita que o estudo é uma grande ferramenta que a mantém sempre ativa.

“O estudo é o que mantém a chama da criatividade, eu amo aprender, coletar o máximo de conhecimento e encontramos isso de diversas formas”, destaca.

Hoje, além de graduada pela PUC, Michele é Pós-Graduada em Roteiro para Cinema e Televisão pela FAAP. Uma artista multifacetada, é atriz, apresentadora, roteirista e fundadora da produtora Mamalujo Cultural. Ela se destaca por ser muito conectada a projetos sociais, seja como atriz ou como diretora. É responsável pelo projeto cultural social “À Procura da Água”, que tem o apoio da atriz Paolla Oliveira. O projeto proporciona por meio do teatro o encontro das crianças com as artes, e aborda temas importantes para a conscientização social da preservação do meio ambiente.

“Estreei profissionalmente com espetáculo “Mulheres de Rosa” dirigido pelo José Rubens Siqueira, passei pela escola de TV do Wolf Maia e na sequência fui dirigida pela Gisela Arantes em um espetáculo para crianças itinerantes. Dediquei-me à produção cultural, escritas de dramaturgias até fundar minha produtora Michele Muniz Produções.”, conta Michele sobre o início da sua carreira. A artista se destaca pela atuação em projetos com relevância social, dirigindo espetáculos como: “Planeta Água — Um Mundo Sustentável” e “Kiko Mico Fez?”.

Michele Muniz – Foto: Jaime Leme

Em 2014 nasceu sua filha, a Pietra. “A maternidade e a profissão são integradas em casa. Eu amo ser mãe e faço todo o possível para estar sempre com minha filha. Pietra tem 7 anos e ela está muito acostumada à minha profissão, desde bebê ela me acompanha no teatro, convive com figurinos em casa, atores que trabalham comigo na minha produtora, personagens, histórias… vejo tudo isso com muita naturalidade, ela é minha parceirinha e já uma atriz mirim, fizemos uma campanha publicitária juntas de dia das mães para um shopping e fiquei muito surpresa com a desenvoltura e alegria com que ela fica diante das câmeras.”, conta Michele Muniz.

Com uma extensa carreira no teatro, em 2020 a artista estreou seu canal do YouTube, com um formato inédito de entrevistas, produzido em plano sequência, sem cortes. Com o “Não Mi Corta”, nome dado ao canal, o público pode acompanhar entrevistas com grandes nomes como: Paolla Oliveira (atriz), Vampeta (ex-jogador e comentarista), Lucas Morato (cantor), Mônica Carvalho (atriz), entre vários outros nomes. Sobre os maiores desafios da carreira artística, Michele destaca que o mais difícil é não desistir.

“O maior de todos é não desistir. É preciso sempre reavaliar a rota na carreira, quais são os seus reais objetivos, o que se quer fazer e traçar bem um plano de ação para conquistar.”

Movida por desafios e novas experiências, Michele estreia esse ano como uma das protagonistas do longa “SARALIAELEIA”, onde atuou ao lado de Dani Winits, Mônica Carvalho, Henri Castelli e muitas outras estrelas. A parceria com Mônica Carvalho vai além da atuação, já que Michele foi co-roteirista no projeto. “A Mônica encabeçou a ideia do longa, firmou a parceria com a produtora Media Bridge e a cidade de Maragogi. Daí em diante nossa sala de roteiro ficou a todo vapor e trabalhamos muitas horas debruçadas no roteiro, foram muitas reuniões, processos até chegarmos ao nosso primeiro dia de filmagem, o desafio da primeira protagonista, a alegria que é fazer um filme que só de contar já daria outro filme, risos.”, contou a paulistana.

Ficha Técnica
Fotos: Jaime Leme
Beleza: Mari Pereira
Styling e Assessoria: Marcia Dornelles Comunicação
Look: Honoria Oficial

VEJA TAMBÉM

Publicidade:
Publicidade:
O projeto Prainha da Claudinha está sendo gravado na cidade de Itupeva - SP e #claudialeitte @claudialeitte 
📷Léo Franco - AGNEWS
O projeto Prainha da Claudinha está sendo gravado na cidade de Itupeva - SP e contou com as participações de @juliette e @lucyalves 
#juliette #juliettefreire #lucyalves #claudialeitte @claudialeitte 
📷Léo Franco - AGNEWS
A ex-BBB @amandagontijos , que participou do Big Broher Brasil 14, foi pedida em casamento pelo cirurgião plástico Danilo Monteiro durante uma viagem à Tailândia. O casal foi para as Ilhas Phi Phi, onde ele surpreendeu a modelo com um anel de rubi com diamantes. #amandagontijo
Um dos grandes nomes do jornalismo, Marcos Uchoa relata sua trajetória: “acabei tendo uma carreira um pouco diferente. Comecei no esporte, mas fiz um pouco de tudo. Fui correspondente muito tempo fora: oito guerras, três tsunamis, G8, G20”. Tendo trabalhado na cobertura de dez olimpíadas e oito copas do mundo, fala de seu carinho pelo esporte e o que já viveu. Uchôa afirma ter se tornado próximo de nomes como Ronaldo Fenômeno, Guga e Ronaldinho Gaúcho. Sobre este último, responde se já foi às famosas comemorações do atleta. “As festas dele, não. As festas dele não podem ‘de menor’ e eu sou casado, bem casado, então evitava esse convite.”. 

Atuando sempre na televisão, conta que nunca trabalhou em jornal impresso e avalia: “repórter tem um lado de ator, uma narrativa para entregar com expressividade, de uma maneira que as pessoas prestem atenção.... Hoje acho que tem ‘vivo’ demais. Ao invés de ir no lugar, fazer a reportagem, falar com quem está sofrendo e passando por aquilo, você vê o repórter entrando ao vivo, falando, falando, e acho que isso não é legal. Torna o jornalismo mais vulnerável para ser atacado dizendo que é fake news”. E completa: “talvez a gente esteja exageradamente com essa coisa da mídia social, que é super importante, democrática, mas nada substitui o papel de você ir lá e checar se de fato a coisa aconteceu.”. 

Recordando um momento icônico do esporte, a derrota do Brasil para a Alemanha por 7 a 1, comenta: “Estava lá. Lamentavelmente cercado de alemães. Eles não acreditavam e batiam no meu ombro consolando. Foram muito educados... 7 a 1 em casa é que nem um nocaute. Horrível demais. E me lembro depois da entrevista do Felipão dizendo que não mudaria nada. Como não mudaria nada? Quando você mudaria? 17 a 1 você mudaria? 70 a 1 você mudaria? Se 7 a 1 para você não é suficiente, não sei o que é.... Eu, de verdade, acho que o Brasil já tinha ido muito longe.... Aquele time não era bom. Tudo bem que a gente é patriota, mas era fraco. Só não precisava ter esculachado de 7 a 1.”.

A respeito das coberturas de guerra, recorda: “me lembro de um desses mísseis que caíram. Eu ouvi a explosão e fui ao chão. #marcosuchoa #danilogentili
Os 60 chegaram para @luizabrunetoficial . Ela completa essa idade nesse dia 24 de maio. #luizabrunet
Publicidade:
Publicidade: